Take Me Away – Blue Öyster Cult (06/30)

Uma das séries que mais gostei, Supernatural marcou com sua história e músicas incríveis. Nessa época eu trabalhava relativamente perto de casa… Ali atrás do Ceagesp/Ceasa. O engraçado de trabalhar naquela área, era ver como uma chuva de Janeiro, a região alagava, dava pra ver as melancias boiando em cima dos carros… Nesse período de chuva, numa sexta-feira, eu não tinha nenhum compromisso e decidi voltar pra casa a pé. Eu adorava aquela região, minha vó morava por ali, e meu primeiro estágio (aquele de modelagem de brinquedos que já citei antes) foi na mesma rua. Conhecendo a região, passei pela estação de trem e pela rua que estudava quando era criança, eu dou uma passada ali pra ver o que mudou dessa vez, estudei ali em 1994, e desde então lotou de prédios residenciais. Numa travessa dessa rua, tinha uma locadora de DVD e decidi parar ali para fuçar. Fiz um rápido cadastro e decidi alugar um box de séries aleatório.

 

 

 

 

 

 

 

 

Escolhi Supernatural, pois uma semana antes, ali mesmo, na mesma rua onde estudei, um amigo fez uma festinha e um dos papos foi essa série e fiquei interessado. Chegando em casa, na sexta-feira mesmo, na euforia, assisti 5 episódios, naquela gostosa maratona de seriados, com guloseimas ao seu redor. Na manhã seguinte, fui ao Bairro Liberdade dar um passeio, fui sozinho mesmo. Foi gostoso dar o rolê comigo mesmo, passei numas lojinhas e comprei um incenso japonês de chá verde muito diferente. A embalagem era muito bonita, numa caixinha com as cores de suas essências (pra um designer, aquilo ali saltou da prateleira e estava escrito OLHA EU AQUI). Pois bem, voltei pra casa, liguei o incenso, preparei novas guloseimas e tinha o cenário todo apropriado para continuar a maratona.

Pra explicar um pouco o que eu estava assistindo, Supernatural conta a história de Dean Winchester (Jensen Ackles) e Sam Winchester (Jared Padalecki), dois irmãos que lutam contra criaturas cuja existência é desconhecida pela maioria das pessoas. Os irmãos perderam a sua mãe num incêndio que foi causado por circunstâncias sobrenaturais. Como resultado, o seu pai, John, dedicou a sua vida a viajar por todo o país para tentar descobrir o que causou a morte da sua mulher e procurar vingança. Ele levou os seus filhos consigo, treinando-os para lutar contra o mal. Dean ficou com John para o ajudar a caçar,enquanto Sam deixou a sua vida de caçador para ir para a Universidade de Stanford. Quando o seu pai desaparece de repente, Dean pede ajuda a Sam para o encontrar, e desde então os irmãos Dean e Sam viajam pelo país, num Chevrolet Impala de 1967 preto, investigando situações Sobrenaturais e outras ocorrências inexplicáveis, muitas delas baseadas na crença popular, mitos e lendas urbanas americanas e também criaturas baseadas em contos sobrenaturais como Vampiros, Lobisomens e Fantasmas.

Fiquei todo encantado com esse tema misterioso de Supernatural. Fiquei Sábado a noite e domingo o dia inteiro assistindo a primeira temporada de Supernatural, olha que pessoal sem vida social, todo envolvido ali, vendo um episódio atrás do outro. Tava chegando no final já, lá no episódio 20, mas reservei os dois últimos episodios para a segunda-feira. Na sexta-feira seguinte, aluguei a segunda temporada e fiz mais uma maratona. Um completo vício. Mas porque estou falando tudo isso?

 

 

 

 

 

 

 

A trilha sonora, como citei anteriormente me cativou. Repleta de Classic Rock, mas não no nível Kiss Fm, mas sim umas mais amaricanas típicas. Teve um episodio que Dean vai morrer, e eles dão um jeito se enganar a morte. Aparece um Ceifador (grim reaper) atrás das vítimas sob a música Don’t Fear the Reaper, da banda Blue Öyster Cult. Fui atras da discografia dessa banda assim que terminei de assistir a primeira temporada e achei muito diferente dos Classic Rock que já tinha ouvido. Ela tem origem em 1960, e se formou na mesma época que Pink Floyd, Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple. A letra das músicas eram baseadas em literatura de horror e ficção científica, inspirada em escritores como H.P. Lovecraft, Edgar Allan Poe e Stephen King.

 

 

 

 

 

 

 

As músicas giram em torno de monstros lendários, maldições, extraterrestres, mitologia grega, vampiros, ocultimos e magia negra. O som base era heavy metal, mas ao longo dos anos, foram passando pelas fases hard rock, blues rock, psicodélico, sintetizadores ao heavy metal novamente. Eles estão na ativa até hoje, não lançando novas músicas, mas fazendo shows. Em 2012 vieram para o Brasil, e tive o orgulho de prestigiá-los. Só tinha tiozão bigodudo, de cabelo branco, motoqueiro, todos com bebida na mão e gritando, parecia que eu estava num filme de motoqueiros nômades, ou na série Sons of Anarchy.

Hoje em dia, Supernatural está na décima temporada, e não tenho assistido com tanta vivacidade mais. Me desinteressei quando entrou o tema “anjos corrompidos”, na quinta temporada, deixaram a essência e as músicas boas de Classic Rock nas três primeiras temporadas. Tenho muito carinho por essa série, vira e mexe assito algum episódio novamente, acho muito bem construído. O criador original abandonou o projeto, acredito que tenha enfraquecido por este motivo. Hoje em dia está difícil pegar uma série e fazer uma maratona que nem essa que eu fazia. tem tantas opções, todos tomam tanta prioridade pra séries novas, dizendo que amam e são os fãs números um, me dá uma certa preguiça… Sempre vejo na minha timeline do Facebook. As séries que eu amei, posso contar nos dedos de uma mão, e olha que gosto de bastante coisa. hehe

Fica aí a dica do Blue Öyster Cult, uma banda bem diferente e original, ouço muito até hoje, sempre descubro algo que não tinha percebido antes, como um suspiro esquisito numa das faixas, ou algum riff mais distorcido em outra. Foi difícil achar uma faixa pra representar minha idolatria por eles, mas recomendo o album Fire of Unkown Origin. Tem uma harmonia muito bonita entre as faixas, é bem interessante.

 

 

 

 

 

 

 

 

Strange shapes light up the night.
Never see ‘em though I hope I might.
Don’t ask if they are real.
The men in black, their lips are sealed.

Fantasy fills my mind
To leave this place before my time,
Release myself from earthly care.
My dream may be your nightmare.

I turn my hopes up to the sky
I’d like to know before I die
Memories will slowly fade
I lift my eyes and say,
“Come on, take me away!
Come on, take me away!”

Come here girl close to me
A thousand stars your eye can see
First one we see tonight,
I wish I may, I wish I might.

I turn my hopes up to the sky
I’d like to know before I die
Memories will slowly fade
I lift my eyes and say,
“Come on, take me away!
Come on, take me away!

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.