Some Velvet Morning – Primal Scream (26/30)

Fui pra Brasília pela primeira vez em 1996, meus tios moravam lá desde 95. Lembro da terra vermelha, da aridez, do tempo seco e dos blocos de comércio. Por ter primos da minha idade, voltava sempre pra lá. Fiz diversos rolês com meus primos, conhecendo a cidade, indo a museus, lago paranoá, clubes e parque, bem turista mesmo. Tive alguns momentos históricos lá como a derrota do Brasil para a França em 1998, e o aniversário de 450 anos de São Paulo (em 2004, eu tava longe mas acompanhei pela tv hahaha).

A história da construção de Brasília começou muito antes de Juscelino Kubitschek. Em 1957, o padre Renato Zigiotti chegou ao Brasil anunciando que Dom Bosco havia sonhado com o surgimento de uma nova terra prometida entre os paralelos 15° e 20° no Brasil. O sonho de Dom Bosco encontrou se realizou graças à coragem de Juscelino Kubitschek, aliando-se à genialidade de Oscar Niemeyer, ao traço de Lúcio Costa e à determinação e arrojo de Israel Pinheiro, principais colaboradores dessa iniciativa que mudou a vida do País.

Idealizada e erguida em aproximadamente mil dias, a obra é considerada uma das mais rápidas da história moderna. Além da arquitetura, um dos destaques é o aproveitamento das características do lugar, assim como dos recursos disponíveis, para modificar o clima, tornando-o mais fresco e agradável, e a obtenção dos recursos energéticos, hídricos, alimentares e sanitários. O urbanismo permite que as pessoas encontrem tudo o que se precisa perto de casa, e a lógica usada para distribuir, ordenar e tornar mais eficiente um conceito de centro de cidade não existe em nenhum outro País.

Localizada no Distrito Federal, a cidade fundada pelo então presidente da República Juscelino Kubitschek exibe monumentos modernos que chamam atenção de qualquer turista. Pelo desenho original de Lúcio Costa, Brasília é, sobretudo, peculiar. Não tem esquinas, mas tem itens próprios, como o comércio local das superquadras residenciais, as famosas “tesourinhas” e ipês floridos, que colorem a cidade durante o inverno – época seca do ano.

Um dia desafiei meu tio. Ele me deixou no palácio do planalto (praça dos tres poderes) e o objetivo era ir a pé até a casa dele, passando por pontos que ainda não visto. Pois bem, devo ter andado uns 10km naquele dia. Passei pelo Conic, por um teatro fechado (mas a frente era linda), a catedral e toda a Asa Sul. Cheguei todo esbaforido na casa deles, demorei umas quatro horas. O legal de brasilia é ser tudo plano, então foi uma caminhada tranquila, pra conhecer o lugar.

“Sou surfista do lago paranoá”, música do Natiruts, na qual conheci lá. O lago é formado pelas águas represadas do Rio Paranoá. Tem 48 quilômetros quadrados de extensão, profundidade máxima de 38 metros e cerca de oitenta quilômetros de perímetro, com algumas praias artificiais, como a “Prainha” e o “Piscinão do Lago Norte”. Localizado em Brasília, foi criado com o objetivo de aumentar a umidade em suas proximidades. Ao redor do lago, há vários bares e restaurantes. Os bairros Lago Sul e Lago Norte derivam seus nomes do lago. “Paranoá” é um vocábulo de origem tupi. Significa “enseada de mar”, através da junção dos termos paranã (“mar”) e kûá (“enseada”).

Mas chega de falar de Brasília, gostaria de fazer o link musical, na qual nessa época que fiquei lá, usava a internet da minha tia pra baixar músicas. Fiz uns 5 cds com as músicas que queria baixar faz um tempo e ouvimos bastante lá. Uma das bandas é Primal Scream, um grupo de rock alternativo formado como um duo no ano de 1982 em Glasgow, Escócia, por Bobby Gillespie (antigo baterista do The Jesus and Mary Chain) e Jim Beattie. Eu não conheço muito a banda, mas adoro essa música Some Velvet Morning, e é com ela que fica o vigésio quinto lugar.

Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate
Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate

Flowers growing on a hill
Dragonflies and daffodils
Learn from us very much
Look at us but do not touch
Phaedra is my name

Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate
Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate

Flowers are the things we grow
Secrets are the things we know
Learn from us very much
Look at us but do not touch
Phaedra is my name

Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate
Some velvet morning
When I’m straight
I’m gonna open up your gate
Some velvet morning when I’m straight

Flowers are the things we grow
Secrets are the things we know

I’m gonna open up your gate

Learn from us very much
Look at us but do not touch
Look at us but do not touch
Look at us but do not touch

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.