That’s Life – Frank Sinatra (28/30)

Essa música representa o ano em que morei sozinho, independência financeira, seu cantinho, cuidar de suas roupas, fazer sua comida (gororoba hahahaha), enfim uma experiencia incrível! Morei durante um ano e três meses na auto-entitulada “A Casa Azul de Libra”, tentei deixar ela o máximo com a minha cara. Estava na fase azul, portanto pintei uma parede inteira de azul bem claro, onde o sol não batia pra não desbotar e enchi de bonequinhos pra tudo que élado, tinha nas prateleiras, no criado mudo, na estante, no quarto e até no banheiro hahaha

Apesar do ar todo geek, eu gostava de chegar em casa e colocar uns Frank Sinatra, Elvis, Johnny Cash para curtir, seja cozinhando, lendo um livro, recebendo os amigos, namorando ou até mesmo passando roupa. Frank Sinatra sempre esteve presente na Casa Azul de Libra, assim como outros cantores dessa geração como Dean Martin, Ella Fitzgerald, Miles Davis, Bing Crosby e Nat King Cole.

Tenho uma queda muito grande pelas canções dessa época. Numa daquelas maratonas de filmes que eu fazia com meu irmão e primos de madrugada, assistimos American Graffiti, um filme de 1973, dirigido pelo novato na época George Lucas. O filme se passa precisamente no ano de 1962, e concentra-se somente nos acontecimentos da última noite de quatro jovens em sua festa de despedida do colégio em sua provinciana cidade de interior, Modesto, California. A ida para a universidade representa o escape de um território assolado pela falta de perspectiva de vida, sendo que o filme despretensiosamente cristaliza o momento de transição onde acredita-se deixar para trás a adolescência em busca da sonhada vida adulta.

Os personagens são Curt (Richard Dreyfuss), Steve (Ron “Ronny” Howard), John Milner (Paul Le Matt) e Terry (Charlie Martin Smith). Cada personagem conta com sua personalidade característica (o introspectivo, o popular, o rebelde, o nerd), um tanto caricata em certos momentos, mas não sem profundidade ou veracidade, uma vez que Lucas disse que, ao conceber o roteiro, extraia de si elementos para elaborar cada papel, identificando cada personagem de acordo com um momento de sua juventude.

É um de meus filmes favoritos, acho que a crise existencialista ali é bem grande, quem somos, pra onde vamos, por que existimos é bem alta. Combina bem com essa fase que morei sozinho, se virando na vida adulta, mas com um “quê” nerd bem grande, pelo fato de encher a casa de coisas geeks e que considero divertidas e que me faz bem.

Para esse post, pra representar toda essa fase, escolhi That’s Life do Frank Sinatra, acho a letra bem bonita, bem vivida. Gosto muito da trilha sonora do filme American Graffiti também. Uma vez postei ela todinha aqui no blog, antes deles caçarem e tirarem do ar, vou deixar o link do Deezer para ouvir na íntegra também.

That’s life (that’s life), that’s what all the people say
You’re ridin’ high in April, shot down in May
But I know I’m gonna change that tune
When I’m back on top, back on top in June

I said that’s life (that’s life), and as funny as it may seem
Some people get their kicks stompin’ on a dream
But I don’t let it, let it get me down
‘cause this fine old world, it keeps spinnin’ around

I’ve been a puppet, a pauper, a pirate, a poet, a pawn and aking
I’ve been up and down and over and out and I know one thing
Each time I find myself flat on my face
I pick myself up and get back in the race

That’s life (that’s life), I tell you I can’t deny it
I thought of quitting, baby, but my heart just ain’t gonna buyit
And if I didn’t think it was worth one single try
I’d jump right on a big bird and then I’d fly

I’ve been a puppet, a pauper, a pirate, a poet, a pawn and aking
I’ve been up and down and over and out and I know one thing
Each time I find myself layin’ flat on my face
I just pick myself up and get back in the race

That’s life (that’s life), that’s life and I can’t deny it
Many times I thought of cuttin’ out but my heart won’t buy it
But if there’s nothin’ shakin’ come this here July
I’m gonna roll myself up in a big ball a-and die

My, my!

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.