#14 Hotoke no Seiheki (Kagerou)

蜉蝣 (Kagerou) é uma banda japonesa de rock criada em 1999 pelo atual vocalista Daisuke e por Masaya. Suas músicas vão de furiosas à obscuras, mas há também, em raras ocasiões, as suaves e melódicas canções. “Kagerou” significa “efêmero” e também “libélula” em japonês.

O vocalista Daisuke explica o nome da banda em uma entrevista:“-Por que efêmero? Bem, porque o inseto não vê que quando ele se torna adulto e vive apenas por 24 horas. Como o inseto, queremos que a banda viva cada minuto tão intensamente como se restasse pouco tempo para nós. Mesmo que uma vida humana possa durar 80 ou 90 anos, queremos viver cada momento intensamente. É por isso que chamamos o grupo “kagerou”. Pessoalmente, tenho saúde fraca, e essa é outra razão para dar ao grupo este nome.” 

A voz de Daisuke foi o que mais contribuiu para a caracterização da banda; num momento ele gritava, no outro cantava tão suave quanto a frágil libélula que deu nome a banda. Isto, somado ao estilo próprio de cada um dos outros integrantes, deu origem a um som pelo qual o kagerou é, até hoje, conhecido.

A banda fez seu primeiro show apenas em 2000 e encerrou suas atividades em janeiro de 2007, após sete anos de estrada. Kagerou deixou em cinco álbuns, dezenove singles e vídeos em uma obra que mistura Visual Kei, Metal e Rock Retrô.
Embora a banda Kagerou tenha sido extinta por conta de declarações sobre o estado de saúde de Daisuke Ochida (não especificado), logo descobriu-se que eram meramente superficiais e o motivo real permanece aberto a discussões. Parte da especulação afirma que o guitarrista Yuana teria trocado de banda, o que, possivelemente, motivou Daisuke a terminar com Kagerou e começar uma nova banda, The Studs.
No dia 15 de julho de 2010, Daisuke Ochida foi encontrado morto em seu apartamento em Shibuya. Foi dito no site oficial do the studs que, desde a infância, ele tinha problemas no coração. A causa da morte, entretanto, não foi revelada.

 

Hotoke no Seiheki  (The sexual nature of God*) 
A clean heart 
A clean body 
I am too clean 
They say that my real identity is crazy 
But I’ll show you right now 
 
Mental disorder faith 
 
I doubted her and Kept on rubbing rubbing her 
And from the tips of her nails to her head I kept licking her 
Even if they respect and respect me for being a mass of sexual nature 
I can’t hear anything Because I’m just a believer 
 
Even if I watch a movie Or listen to music Everything I do is boring 
So yes, now is the time I will force this into that 
 
Mental disorder faith 
 
I let out my emotions of partly rain, partly rain 
And I’ll make strawberry milk with that virgin 
Even if they respect and respect me for being the child of sexual nature 
I can’t see anything 
Because I’m just a practicer 
 
I’m not crazy No matter what they say
 
*Referência aos Deuses japoneses


Essa banda me conquistou com o album homônimo “kagerou”, de 2003. Pra mim, é um hit atrás de outro hit! Gosto muito da voz obscura e rasgada de Daisuke, é uma pena que ele tenha morrido, era bem promissor… Trago uma de minhas faixas favoritas “HOTOKE NO SEIHEKI”, do album Guroshoku (2005). Suas músicas têm uma essência devastadora, bem pesada, gosto de quase todas as músicas que eles produziram. Essa faixa que vos trago para o Top 50 J-Rock é muito interessante, é pesada, mas tem uns efeitinhos estranhos no meio, acho bem divertida!
Essa banda me marcou uma época em que eu fazia estágio numa empresa de Design em 2007, eu estava conhecendo umas bandas de J-Rock e fazia maratona delas, ouvia praticamente toda hora. Kagerou era uma das que eu mais ouvia.
Outras faixas preferidas:
• Shibire Kokoro
• Kakokei Shinjitsu
• Kurokami no Aitsu

 

 

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.