#23 Au Revoir (Malice Mizer)

MALICE MIZER (マリス・ミゼル) foi uma banda japonesa, sendo uma das bandas mais conhecidas até hoje. Como algumas bandas, o MALICE MIZER, passou por etapas e mudanças, tanto na formação como em suas principais caracteristicas musicais, passando de uma sonoridade mais barroca e até mesmo góticas.

Em 1992, os guitarristas Mana (considerado o criador do estilo Gothic Lolita) e Közi criaram o MALICE MIZER, convidando também o baixista Yu~Ki, o vocalista Tetsu e o baterista Gaz, sendo esta a primeira formação da banda.

Formação:
Vocal: Klaha
Guitarra: Közi
Guitarra: Mana
Baixo: Yu~ki

Bateria: Shue [membros de apoio]
Teclados: M (ex. Kazune) [membros de apoio]

Vocal, Piano: GACKT [1995 / 1999 – Saiu]
Bateria: Gaz [1992 / 1993 – Saiu]
Bateria: Kami [1993 / 1999 – Falecido]
Vocal: Tetsu Takano [1992 / 1994 – Saiu]

Embora haja dúvidas em relação à origem do nome da banda, “malícia e miséria”, extraído de “Nada além de um ser de maldade e miséria”, sabe-se que segundo o Mana, a maldade e a miséria são características inerentes ao ser humano, logo não é difícil fazer uma ligação, principalmente tratando-se de uma banda que trabalhava sempre baseada no questionamento filosófico “o que é humano?”.

A banda possuía uma especial influência da atmosfera clássica européia, principalmente fruto da concepção romântica moderna sobre os vampiros, completamente influenciada por filmes de terror italianos da década de sessenta. Suas composições misturaram com maestria a inspiração dos instrumentais clássicos e vocais ora agressivos, ora calmos e românticos, e não se limitavam à música. Sendo uma das mais importantes e influentes bandas do movimento Visual Kei japonês da década de noventa, MALICE MIZER era extremamente performática e teatral.

No decorrer de sua carreira, a banda apresentou-se sob diversas maquiagens extravagantes e figurinos rebuscados e em diferentes cenários, peças curtas de teatro mudo antes de várias canções, coreografias extravagantes, e até mesmo o palco sendo uma réplica em dimensões reais de uma catedral, para ilustrar um álbum, dando ao público a sensação de estar diante de uma outra banda, pelo menos enquanto não percebia-se a mesma temática, que apenas estava sendo tratada sob outro ângulo.

Longe de tentar esgotar todas as possibilidades, o MALICE MIZER deixou que a imaginação tomasse de conta e mostrou que sobre um mesmo ponto há diversas interpretações, despertando assim a curiosidade das pessoas, curiosidade esta que foi convertida em admiração por parte daqueles que viraram fãs e compreenderam seus ideais.

A banda passou por três formações diferentes, mais conhecidas como “eras”. A Era Tetsu, a Era GACKT e Era Klaha, os três vocalistas, respectivamente, assistidos durante toda a trajetória musical de quase 10 anos.

Após o fim da banda em 2001, a maioria de seus integrantes seguiu carreira solo e, acompanhando-as, é possível ver o quanto era importante a participação de cada um deles para formar o grupo MALICE MIZER. A banda foi cada um deles e todos eles juntos. Embora eles não tenham tido um “fim” oficial (a banda se encontra em hiato), acredita-se que seja difícil uma reunião da banda, mas ainda podemos apreciar, sem nunca deixar de nos surpreender, aquilo que nos foi legado.



Adeus…
Os passos de duas pessoas que sempre continuam na estrada
ressoaram
A fruta murchou, o caminho está forrado com árvores Como eu caminhei eu notei o grande tamanho delas.


Uma pequena folha impropriamente escova seu ombro e cai, Enquanto tenta novamente voltar para o céu.
Aquela selvagem respiração do vento: Eu queria saber por que isso é tão igualmente querido pra mim agora.
Sorrindo docemente.


Apoiado na vidraça da janela, a figura que eu não pude ver,
A sombra refletida pelos raios de sol sai e desaparece.
Nas transbordantes recordações, eu murmurei as palavras
?Pelo menos até despertar do sonho…?


Mais


Eu quero dormir, abraçando-lhe.
Isto muda de dentro as suaves recordações, igual à agora.
Eu quero dormir enquanto seguro-lhe em meus braços.
O tempo de quando nós nos encontramos parece só…


Apoiado na vidraça da janela, as fileiras de árvores e os sussurros na rua
Eu murmuro suavemente as mesmas palavras mais uma vez…
Eu não posso ver a figura, Eu vejo então
Pelo menos isto só está em um sonho.


Mais


Eu quero dormir, abraçando-lhe.
Isto muda de dentro as suaves recordações, igual à agora.
Eu quero dormir enquanto seguro-lhe em meus braços.
O tempo de quando nós nos encontramos, igual aquele dia,
Parecia só…


Eu quero dormir, abraçando-lhe.


Eu quero dormir enquanto seguro-lhe em meus braços.


Uma de minhas bandas favoritas de J-Rock/Visual Kei, marcou muito minha vida. É engraçado escrever isso, mas depois que fui seduzido pelo album Merveilles, é de lei ouvir sempre que estou bem, num domingo de manhã, num passeio ao parque, meio melancólico… Acho os clipes do Malice super bonitos, dá vontade e gosto de assistir! Gosto mais da era Gackt, mas não descarto de jeito nenhum a era Klaha, com a maravilhosa música BEAST OF BLOOD e suas músicas gótica/sintetizadores. Gosto muito dessa banda, espero que desperte interesse a quem ouvir.

Outras faixas favoritas:
• EGEE ~Sugisarishi Kaze to Tomo ni~
• Bel Air ~Kuhaku no Toki no Naka de~
• BEAST OF BLOOD

 

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.