[EXPO] José Bernnô (Galeria Estação)

Já trabalhei em Pinheiros há alguns anos, sempre passava pela Galeria Estação, mas nunca tinha entrado, talvez por ficar um pouco sem entender o seu funcionamento, com o segurança na porta já te abordando. Esses dias deixei a vergonha de lado e meti a cara na Galeria, fui entrando, querendo conhecer e perguntando de exposições e eventos que aconteceriam ali. Descobri a abertura da exposição do artista plástico José Bernnô, no dia 18 de Maio, mas a abertura/vernissage mesmo seria no dia seguinte, mas já que estava ali, fui conferir.

O pintor José Bernnô

O pintor José Bernnô

Fiquei bem surpreso com a Galeria, é um prédio de vários andares, sendo que no terceiro seria o acervo fixo e o segundo a exposição temporária, a de Bernnô no caso. E quem é Bernnô? José Norberto de Mattos, residente do Bairro do Limão em São Paulo, era dono de uma oficina de pintura de automóveis, usando tinta automotiva, começou a pintar seus quadros, quanto que sua primeira exposição foi aos 59 anos (infelizmente ele faleceu no anos seguinte).

Sem título, 2005

Sem título, 2005

E não é que tinta automotiva fica linda num quadro? De longe parece tudo bem chapado, mas ao chegar perto, podemos ver as ranhuras e o volume da tinta.

“Tudo parece estar um pouco fora da ordem: linha, cor, a matéria bruta. O belo advém desse estranhamento criado entre o popular e o erudito.”

Diz Marco Giannoti, curador desta exposição. E não é que eu concordo?

Selfie com a obra! D:

Selfie com a obra! D:

Bernnô utilizava cores bem fortes em suas obras, é impossível não sentir nenhuma emoção ou a personalidade forte do pintor, que segundo alguns era bem explosiva e difícil. Segundo Marco ainda, vemos nas obras de Bernnô o amarelo angustiado, o azul apaixonado, o laranja entristecido, um cromatismo “imponente”. É muito gostoso observar seus quadros, reparar nas formas geométricas, desvendar o porque dela estar ali, porque aquele formato, ver as cores gritantes, observar que as pinceladas não são retinhas e sim meio bruscas, meio “bruta”… Achei bem instigante.

Sem título, 2005

Sem título, 2005

Gosto do abuso de cores que ele utiliza, parece bem pensadas, bem colocadas. Um quadro Vermelho com dois retângulos Azuis me chamou muito a atenção. Como já citei anteriormente, são minhas cores favoritas e como designer gráfico, gosto muito de utilizá-las. Tanto que em 2006, no começo desse blog, eram as cores que eu mais usava e que denotava a minha personalidade. Dez anos depois me vejo ainda gostando delas. Bem assim, uma mais do que a outra, pode ter o equilíbrio entre elas, mas depende do gosto do momento (pensamentos librianos hahahaha).

Sem título, 2007 (amei esse quadro, quero)

Sem título, 2007 (amei esse quadro, quero)

O acervo de Bernnô é pequeno, mas os quadros são bem grandes. Dá pra dar uma bela passeada na galeria (e conhecê-la!), olhar os quadros e apreciar a arte, ver os detalhes, pensar nas cores, ver o que elas transmitem. É legal pensar que um profissional de 59 anos teve a sua primeira exposição pouco antes de morrer. E ainda mais essas obras tão expressivas e rústicas. Tenho futuro? hahahaha

 

A Galeria Estação fica em São Paulo/SP na Rua Ferreira de Araújo, 625, Pinheiros, confira no site o horário de funcionamento! galeriaestacao.com.br

A Galeria Estação

A Galeria Estação

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.