[SERIES] AJIN: Semi-Humano (Anime Netflix)

Através de uma indicação de um amigo, comecei a assistir AJIN: Semi-Humano, série de desenho animado japonês (anime), exclusiva da Netflix. Adaptado da série homônima, escrita e ilustrada por Gamon Sakurai, AJIN retrata a vida de seres incapazes de morrer e que são caçados pelos governos no mundo inteiro.

Essa série me chamou muito a atenção, logo de cara assisti cinco episódios seguidos e olha que faz tempo que interesse desse tipo não me era despertado. Publicado desde 2012 pela editora Kodansha no Japão, o mangá chegou aqui no Brasil em março de 2016, pela Editora Panini Comics. E há pouco tempo a primeira temporada está disponível (13 episódios) no Netflix. Belíssma animação produzida pelo estúdio Polygon Pictures.

Kei Nagai

O protagonista chama-se Kei Nagai descobre ser um AJIN por acidente ao ser atropelado por um caminhão, logo no começo da série, com um público olhando o acidente, ele é rapidamente posto à procura, pois são bem raros no mundo inteiro e que até então tinha apenas dois conhecidos no Japão. Kei consegue a ajuda de seu amigo de infância Kaito para escapar.




Em meio a perseguição, tiros, cenas de luta, fugas incríveis, explosões, sangue, tripas voando e muito acordo entre governos e polícia, AJIN tem uma história bem rica e intrigante. O fato da pessoa não poder morrer o torna alvo do governo, que os tornam em cobaias, para entender o por que não morrer, ou por que eles são diferentes? Explica o que acontece com os outros AJIN conhecidos do Japão, e claro, a existência de outros não revelados publicamente. Yu Tosaki e sua Ajin particular Izumi Shinomura estão atrás desses AJINS e fazem de tudo para conseguir capturá-los. Mas como capturar/sedar alguém que não morre?

ajin anime netflix chasefaster 04

São poucos personagens explorados na série, mas simpatizei muito com Sato, um AJIN mais velho, com preparo militar. Ele quer a qualquer custo avisar os humanos de que os Ajins devem ser respeitados e ganhar um espaço na sociedade (mesmo que seus métodos não sejam os mais corretos). Ko Nakano é outro personagem bem interessante, que a princípio seguiria a mesma linha de pensamento de Sato, mas depois corre atrás de Kei Nagai em busca de uma ajuda contra Sato.

Invisible Black Matter

Invisible Black Matter

Além de não conseguirem morrer, os Ajins têm um avatar composto supostamente de energia negra, que os protegem quando precisa. Os tais Invisible Black Matter (IBM) são invisíveis a olhos nús, mas aparecem à vítima quando eles tem intenção de matar. Apavorante. O design deles seria um humanóide distorcido, bem medonho. Kei Nagai tenta treinar o seu IBM, que aparentemente têm vida própria, mas sempre o defende. Ajin me lembrou um pouco Death Note (por causa dos demônios assassinos), Akira (pela raça nova que surge e que a sociedade não sabe lidar) e também X-Men (mutantes, minoria, oi?). Talvez uma nova interpretação destes clássicos? Os Death Note e Akira também estão no Netflix, se liga lá 😀

ajin anime netflix chasefaster 05

O tema de abertura da série “Yoru wa Nemureru Kai?” é interpretado pela banda de j-rock flumpool e o encerramento “How Close You Are” de Mamoru Miyano. A trilha sonora é outro elemento marcante da série, é bem marcante, intensa e utilizada em momentos chaves na história. Muito bonita essa junção.

Não vou dar mais spoilers aqui, mas recomendo assistirem essa série. Me fascinou bastante o tema, o traço, os personagens, a trilha sonora e o desenrolar da trama. Pena que só tem 13 episódios. O último é muito bom!! Fiquei tão empolgado, que no final fiquei a ver navios hahahaah E isso é bom! Prova que a história segura o fôlego até o final!

ajin anime netflix chasefaster 06

chasefaster

chasefaster

Me chamo Edu D’Angelo, mais conhecido como Chase Faster! Nasci em Outubro de 1984 (Libra com ascendente em Libra) e sou um Proudly Nerd assumido! Sou apaixonado pelo universo Geek (Action Figures, Comics, Animes, Filmes dos Anos 80, Seriados antigos, Teatro, Circo, Exposições e Shows) e desde 2006, crio um Setlist mensal com as músicas que mais ouvi naquele mês. Dez anos depois, estou aqui relatando tudo o que venho vivenciado por São Paulo, com muita nostalgia oitentista.